Você está aqui:

Notícias

Assistentes comemoram 56 anos de regulamentação

16/05/2018

Assistentes sociais do Sistema Prisional comemoram 56 anos de regulamentação da categoria

São 210 profissionais dessa categoria que trabalham no Sistema Prisional. Os assistentes sociais atuam no contexto da política pública para promover a reinserção social e a garantia dos direitos

 

Os profissionais de Serviço Social da Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) acabam de celebrar mais um ano de regulamentação da profissão e criação do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais. Dentre os aproximadamente 24.071 assistentes sociais inscritos no Conselho Regional de Serviço Social de Minas Gerais, 210 trabalham no Sistema Prisional.

Comprometidos com o aprimoramento e qualificação do atendimento prestado aos detentos e seus familiares, os profissionais se reúnem, mensalmente, para participar de Grupos de Trabalho na sede do Conselho Regional de Serviço Social (Cress), em Belo Horizonte, para conversas sobre a prática profissional e troca de experiências, vislumbrando adequações e melhorias dos serviços.

Ao longo do ano, as profissionais de Serviço Social da Diretoria de Atenção à Saúde e Atendimento Psicossocial da Seap realizam visitas de orientação a todas as unidades prisionais do estado. A equipe também faz acompanhamentos e presta informações por telefone e e-mail.

Outras atividades do Núcleo de Serviço Social consistem na execução de cursos para os servidores de Serviço Social nas unidades prisionais e ainda cuidam do aprimoramento de convênios com órgão públicos responsáveis por atender as demandas sociais.

A servidora Poliana Albino, uma das assistentes sociais da Diretoria de Atenção à Saúde, considera o desconhecimento das atividades de Serviço Social uma das dificuldades para o exercício da profissão. Ela explica que o termo “Assistência Social” se refere a uma política pública prevista na Constituição e regulamentada por meio da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS).

Essa politica pública está presente nos órgãos de nível estadual ou municipal com diversos profissionais, sendo um deles o assistente social. “Nosso motivo de orgulho é contribuir para uma ordem social mais justa e igualitária. Todos os dias buscamos a promoção da reinserção social e garantia dos direitos”, ressalta Poliana.

 

Responsabilidades

As principais atividades dos assistentes sociais no Sistema Prisional consistem em entrevista inicial e acolhimento, resgate dos vínculos familiares, regularização de documentação civil, realização de estudo socioeconômico para fins de benefícios e serviços sociais junto a órgãos da administração pública ou privada e ainda encaminhamentos para rede socioassistencial.

Os assistentes sociais atuam na equipe de saúde e psicossocial das unidades prisionais e nas unidades administrativas. Os atendimentos ocorrem por agendamento ou de acordo com a necessidade dos detentos e familiares, levando sempre em consideração a avaliação do profissional e periodicidade do atendimento.
 

Notícias relacionadas

18/05/2017

Dos US$ 976 milhões, Minas já recebeu US$ 195,5 milhões. Outros US$ 150 milhões estão em processo de solicitação e devem ser internalizados em janeiro próximo. A parcela para liberação no ano que vem é de R$ 390 milhões, enquanto que, em 2010, deverão ser liberados US$ 222 milhões.

Minas Gerais lança a campanha “Vamos juntos dar um basta ao trabalho infantil”
12/06/2017

O Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado do Trabalho  e Desenvolvimento Social, lançou nesta segunda-feira (12/6), a campanha “Vamos juntos dar um basta no trabalho infantil”. A estratégia, apresentada na data em que se celebra o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil.

Projeto leva conhecimento agroecológico a jovens de centro socioeducativo do Estado
13/06/2017

O mundo dos menores abrigados em instituições socioeducativas -- após a prática de atos infracionais -- pode ser menos sofrido, mais produtivo e capaz de ajudar na ressocialização. A privação de liberdade como medida socioeducativa está prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).